PALESTRA 06 – FABRINI E VIVIANNY VIGUIER

Como casal sempre sonhamos muito, e em determinado momento sonhamos uma nova igreja. Afinal, o contexto de onde vivíamos haviam igrejas, mas igrejas desconectadas do contexto. E o sonho era de plantarmos uma igreja conectada com a cultura, centrada do evangelho e comprometida com a plantação de novas igrejas.

Entretanto, como começamos tínhamos muita paixão, mas nenhum método. Na verdade quase não tínhamos sabedoria nenhuma para lidar com o processo de plantação, afinal, éramos muito novos. Inclusive hoje quando olhamos para trás pensamos: “como que as pessoas nos seguiram?” ou ainda “como foi que fizemos aquilo?”.

 Mas apesar disso começamos o processo de plantação de uma nova igreja. E como tínhamos acabado de ter nosso primeiro filho, lidamos com a igreja, da mesma forma que lidamos com nossos filhos, como um processo que tenha fases distintas e que demanda atenção, cuidado e amor.

 Além disso, tínhamos claro duas coisas:

  1. Cuidar bem de si mesmo
  2. Cuidar bem do casamento
  3. Cuidar bem dos nossos filhos
  4. Cuidar bem da nossa igreja

 Entretanto, na época tínhamos alguns grandes desafios na plantação e que consequentemente envolviam o ministério pastoral e o nosso casamento. Entre eles: 

  1. Falta de dinheiro, inclusive era difícil lidar com o cenário das contas da igreja em dia e as contas de casa constantemente atrasadas.
  2. Falta de gente na igreja
  3. Falta de reconhecimento na cidade
  4. Falta de respeito dos “crentes ungidos”
  5. Falta de experiência conjugal, pois: imaturidade é um problema e não sabíamos nem discutir.

 Para  cuidar de nós mesmos mantivemos um cuidado com a nossa própria saúde e da nossa vida devocional.

 Ao longo do nosso casamento, aprendemos estratégias para proteger nosso casamento. Mas o casamento não foi feito apenas para resistir a plantação de uma nova igreja, mas sim, para se tornar cada vez melhor. E esse eh um dos melhores presentes que você pode dar para a sua família: um casamento saudável.

 Mas não cuidamos apenas do nosso casamento, cuidamos também dos nossos filhos! Nunca cobramos dos nosso filhos que eles deveriam fazer algo por serem filhos de pastor, e também, nem permitimos que a igreja cobrasse eles de alguma coisa que não fosse cobrado de todos. De certa, forma protegemos nossos filhos da igreja, ou melhor, os tratamos como crianças normais! E mais: plantamos uma igreja que seria boa para nossos filhos!!!

 Mas também cuidamos da nossa igreja! E para isso não apenas protegemos a nossa família da igreja, mas também protegemos a igreja da nossa família. Afinal, a família maior envolvida na plantação da igreja pode ser tanto uma benção, quanto uma maldição.

 E ao final desse processo, concluímos que dá certo, mas aí uma nova crise surgiu. Uma crise relacionada a reconhecimento e em decorrência disso, um sentimento de inutilidade emergiu, mesmo diante de tudo dando certo, diante de um bom momento na igreja. E nesse momento fiz um mínimo necessário, queria fugir de tudo. 

Mas Deus na sua graça, fez com que eu entendesse o novo momento onde estávamos. Há tempos para todas as coisas! O chamado permanece, o fogo ai arde no coração! Apenas, estamos em um novo momento, um momento de revitalização, praticamente um novo filho.

DOWNLOAD DO PDF
2019-08-30T11:07:25-03:00

Comentar sobre esse post